Fique antenado!

Fique antenado!

Todo mundo quer acessar a internet, postar fotos nas redes sociais, ver vídeos ou o jogo de seu time de futebol no celular, em qualquer lugar, a qualquer hora. Mas sem antena não tem celular, não tem internet, não existe o mundo digital. Sabe por quê? Porque são as antenas que levam o sinal das operadoras para os celulares.

Saiba aqui porque a antena é a parceira mais fiel do seu celular.

A sua cidade pode ser chamada
de amiga da Internet?

As cidades amigas da Internet são aquelas que mais estimulam a conectividade, com leis modernas e sem burocracia nos processos de licenciamento para a instalação de antenas e infraestrutura de telecomunicações. Com isso, a expansão das redes é
feita na mesma velocidade do aumento da demanda. Assim ganham todos: o muncípio e a população. Saiba quais são as 10 primeiras colocadas no Ranking das Cidades Amigas da Internet entre os 100 maiores municípios brasileiros em população:
Posição Cidade Estado
São José dos Campos SP
Uberlândia MG
Campina Grande PB
Porto Alegre RS
Cascavel PR
São Gonçalo RJ
Jaboatão dos Guararapes PE
Ribeirão das Neves MG
Recife PE
10º Rio Branco AC

E se a sua cidade não estiver bem na foto?

Ela precisa atualizar a legislação municipal e eliminar a burocracia para a instalação de antenas. Assim, com processos mais ágeis e leis mais modernas, a cidade
pode mudar a sua realidade. Saiba quais são os municípios que ocupam as últimas posições no Ranking das Cidades Amigas da Internet:
Posição Cidade Estado
91º Limeira SP
92º Londrina PR
93º Brasília DF
94º Franca SP
95º Florianópolis SC
96º Maringá PR
97º Belo Horizonte MG
98º Santo André SP
99º São Bernardo do Campo SP
100º São Paulo SP

Assista!

Antenas são essenciais para usar o celular

As antenas são a base para uma sociedade moderna e sustentável

Cidades inteligentes: Saiba quais são os municípios que estão fazendo a diferença!

O Ranking de Serviços de Cidades Inteligentes, feito pela consultoria Teleco, avaliou 100 municípios que estão ofertando serviços considerados inteligentes ao
cidadão usando os meios digitais, como Internet e celular. Saiba quais são as 10 cidades mais bem colocadas:
Posição Cidade Estado
Uberlândia MG
Vitória ES
Juiz de Fora MG
Santo André SP
Belo Horizonte BH
Curitiba PR
São Paulo SP
Florianópolis SC
São José dos Campos SP
10º Niterói RJ

Cidades Inteligentes? #SQN!
As cidades que ainda precisam se digitalizar

Bons serviços ao cidadão passam pela infraestrutura de telecomunicações. Se a sua cidade ainda não oferece serviços digitais é hora de ela se modernizar e ter
leis e processos que incentivem a conectividade. Conheça a lista das 10 últimas colocadas no Ranking de Serviços de Cidades Inteligentes:
Posição Cidade Estado
91º São Bernardo do campo SP
92º Ribeirão Preto SP
93º Natal RN
94º Cariacica ES
95º Teresina PI
96º Belém PA
97º Taboão da Serra SP
98º Praia Grande SP
99º São João de Meriti RJ
100º Caucaia CE

Casos de sucesso

São José dos Campos

Um exemplo a ser
seguido no Brasil

Ao revisar a legislação; simplificar os processos, a cidade que dista 94 Km da capital paulista e soma pouco mais de 500 mil habitantes, pulou da 21ª posição e assumiu o primeiro lugar no ranking das cidades amigas da Internet em 2019.
Veja mais

Uberlândia

Município do triângulo mineiro faz o dever de casa e se torna
uma cidade inteligente

O segredo da boa performance da cidade, que está a 587 km da capital mineira e conta com uma população em torno de 600 mil habitantes, está, segundo a administração municipal, na efetivação da parceria entre governo e setor privado.
Veja mais

Porto Alegre

Capital que mudou a Lei
para atrair mais investimentos
e ter melhores serviços

A capital gaúcha deu um salto no Ranking Cidades Amigas da Internet – passou da 80ª para a 4ª posição – após a prefeitura ter se conscientizado que estava retardando o progresso e dificultando a entrada de milhões de reais em investimentos.
Veja mais

Confira os números

Entrevistas

Avanço dos investimentos e chegada do 5G exigem ajustes na lei de antenas

Veja mais

MCTIC vai publicar decreto para acelerar a regulamentação da Lei das Antenas

Veja mais

Brasil segue à risca as regras internacionais de proteção à saúde humana

Veja mais

Antenas estão em todo lugar e não são um risco à saúde

Veja mais

5G exige segurança para garantir o retorno para o investimento

Veja mais

Projeto de lei 8.518/17 respeita municípios e dá resposta ágil à sociedade

Veja mais

Brasil tem 4 mil antenas na fila do licenciamento municipal

Veja mais

Cidades serão inteligentes somente se priorizarem a conectividade

Veja mais

Todas as pesquisas científicas garantem que antenas celulares não causam câncer

Veja mais

Legislação

Lei Geral de Antenas 13.116/2015
Aprovada pelo Congresso Nacional em 2015, a Lei Geral das Antenas traz diretrizes para o licenciamento, instalação e compartilhamento de infraestrutura de telecomunicações.
Veja mais
Lei RNI
11.934/2009
Em vigor desde 2009, a lei dispõe sobre limites à exposição humana a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos, visando a garantir a proteção da saúde e do meio ambiente.
Veja mais
Resolução da Anatel 700/2018
Trata da adequação das antenas às regras para saúde humana determinadas pela ICNIRP - (Internacional Commission on non-ionizing radiation protection), da OMS.
Veja mais
Sugestão de PL padrão municipal
Sugestão de projeto de lei municipal padrão para ser adotado por municípios para normatizar em uma única legislação a instalação de infraestrutura, incluindo as antenas.
Veja mais

Suas dúvidas respondidas

A cartilha Fique antenado! traz dicas e tira dúvidas sobre as antenas de celular e internet móvel, como regras de instalação, funcionamento, escolha de locais, avanços tecnológicos, barreiras das legislações municipais, licenciamento, cobertura e benefícios para os municípios.
Download
1. O celular funciona sem antena?
O celular não funciona sem antena. Sem as antenas, o celular é só uma máquina fotográfica ou um tocador de música MP3. É a antena que traz o sinal para o celular e faz a conexão com toda a rede de comunicação. Ela é o que conecta o seu celular com o mundo.
2. Antena e torre são a mesma coisa?
Não. A torre é uma estrutura metálica ou de concreto para a sustentação física da antena, para que ela fique em um local alto. Já a antena é o equipamento que capta o sinal transmitido pelo ar e o distribui por toda a rede de telecomunicações. Muitas antenas, especialmente em áreas urbanas, nem têm torre.
3. A falta de antenas prejudica os serviços para o usuário?
Sim, porque sem antena, não tem sinal, não tem serviço. Não tem internet, não tem telefone, não tem economia digital. São as antenas que trazem conectividade e desenvolvimento para os municípios.
4. Como são escolhidos os locais para a instalação das antenas?
Por diversos critérios técnicos e dentro de um planejamento contínuo para obter a melhor cobertura. Quanto mais pessoas usando os serviços mais demanda haverá pelas antenas.
5. Quem autoriza a instalação de antenas?
São necessárias duas autorizações. A primeira, pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), órgão que fiscaliza todas as atividades do setor, inclusive as antenas. E a segunda autorização cabe ao município, que é responsável pelo uso do solo onde a antena será instalada.
6. Como as antenas são instaladas? É diferente de outros países?
As antenas anteriormente eram grandes e usavam as torres metálicas, hoje são pequenas e podem ser instaladas em vários locais, como no topo de um prédio, poste de iluminação ou energia, mobiliário urbano ou até na fachada de um edifício. A forma de instalar é igual a de outros países, respeitando-se as leis locais nas questões urbanísticas.
7. Ter uma antena no prédio é perigoso?
Não! Toda instalação, seja em prédios ou em qualquer outro lugar, é acompanhada por um especialista para avaliar a potência emitida. Há limites preestabelecidos e eles são respeitados. Caso contrário, a instalação não é autorizada pela Anatel.
8. Ter uma antena próxima de casa é necessário para a qualidade do sinal?
Sim. As antenas são instaladas seguindo um planejamento para que haja uma boa oferta do serviço para o consumidor. Se há uma antena perto de sua casa, é porque ela é necessária para garantir a qualidade dos serviços nessa área.
9. Uma antena próxima de casa ou do trabalho desvaloriza o imóvel?
Não, pelo contrário. Não ter serviço de celular no trabalho ou próximo de casa é que desvaloriza o imóvel. Todo mundo hoje quer acessar a internet e usar o celular.
10. As antenas emitem ondas?
Sim. As ondas eletromagnéticas emitidas pelas antenas são do tipo não ionizante. Isso quer dizer que o sinal da antena não tem o poder de alterar a estrutura molecular do corpo humano ou animal, portanto não interfere na saúde das pessoas. E a intensidade dessas ondas é bem menor do que as antenas de rádio e TV.
11. As antenas fazem mal à saúde?
Não, as antenas não fazem mal à saúde do ser humano. Elas são instaladas de acordo com a legislação, que segue os limites determinados pela Organização Mundial de Saúde. Vários estudos foram realizados nas últimas décadas, inclusive pela OMS, e nenhum deles comprovou que o celular ou suas antenas façam mal à saúde.
12. Os smartphones também emitem ondas? Eles provocam doenças?
Toda e qualquer comunicação sem fio, seja o Wi-Fi, o rádio, a TV ou o celular, utiliza ondas eletromagnéticas não ionizantes. Existem recomendações da OMS de limites de emissão de ondas que são seguidos pelos fabricantes. Assim como as antenas, os celulares não fazem mal.
13. O município pode impedir a instalação de antenas em razão da emissão de ondas?
Não. A Anatel já trata e fiscaliza as antenas quanto ao cumprimento dos limites de emissão de ondas eletromagnéticas (Lei 11.934/2009), que garantem a segurança da população.
14. Por que é mais difícil instalar antenas em algumas cidades do que em outras?
Algumas cidades têm muita burocracia e leis ultrapassadas para a instalação de antenas, que não acompanharam o desenvolvimento de novas tecnologias nem o crescimento da demanda por novos serviços (fotos e vídeos). Nas cidades com essas leis, a qualidade dos serviços de telefonia e internet fica comprometida, prejudicando a comunidade.
15. Como sei se a minha cidade facilita a instalação de antenas?
Se a sua cidade está entre os 100 maiores municípios em população do País, você pode consultar a situação dela no Ranking das Cidades Amigas da Internet.
16. Quem deve atualizar as leis para retirar as barreiras à colocação de antenas?
As prefeituras e as câmaras de vereadores. Já existe a Lei Geral de Antenas (13.116/15), aprovada pelo Congresso Nacional, que traz todas as diretrizes a serem seguidas e adotadas pelos municípios.
17. A instalação de antenas traz investimentos para a cidade?
Sim. Além do investimento direto nos equipamentos e redes, o município também é beneficiado com geração de emprego e renda e desenvolvimento da economia digital na cidade.
18. O Brasil tem quantas antenas instaladas? Esse número é suficiente?
O Brasil tem hoje cerca de 100 mil antenas (2G, 3G e 4G) e precisará dobrar esse número nos próximos anos, mas a instalação esbarra em leis municipais atrasadas. O crescimento do uso do celular demanda ampliação constante do número de antenas. A tecnologia 5G exige 5 vezes mais antenas que o 4G.
19. As antenas de 5G são diferentes do 3G e 4G?
Sim. As antenas do 5G são bem menores, seguindo uma redução que já vem ocorrendo no 4G, facilitando sua instalação. Mas as ondas emitidas são da mesma natureza que as utilizadas no 3G e 4G, portanto, não são um risco à saúde.
20. Que benefícios o 5G vai trazer para a população e para as cidades?
Inúmeros. O 5G não é apenas uma atualização do 4G, e sim, uma nova tecnologia, que permitirá, além da conexão em velocidades ainda mais altas, serviços inteligentes, como telemedicina, segurança, veículos conectados, controle de tráfego, indústria 4.0, conectividade rural, etc. Enfim, o 5G será a base da economia digital, trazendo melhoria para o dia a dia das pessoas e acelerando o desenvolvimento socioeconômico do País.

Releases

SindiTelebrasil lança cartilha sobre antenas de celular em encontro de prefeitos

Veja mais

Audiência pública na Câmara discute regras para licenciamento de antenas

Veja mais

Sem conectividade, Brasil fica ainda mais longe da economia digital

Veja mais