Agência Telebrasil
Expediente
Telebrasil



O SindiTelebrasil agora é Conexis Brasil Digital. Saiba mais.

Distorções tributárias e desertos digitais
Marcos Ferrari *
10/09/2020

A pandemia tem mostrado o quanto a conectividade é mais que um bem desejável, é essencial na vida da população. É como se, repentinamente, as redes de telecomunicações que estão imperceptíveis no dia a dia de milhões de brasileiros saltassem aos olhos para toda a sociedade.

Mas a pandemia fez emergir outro problema que, infelizmente, não é novo: o quanto a conectividade é distribuída desigualmente pelo país. O desafio é grande, ainda mais para um país continental. Requer um esforço concentrado para eliminar os desertos digitais espalhados Brasil adentro, verdadeiras regiões e/ou estratos da população sem acesso à internet. Nesse sentido, em seu discurso de posse, o ministro de Comunicações, Fábio Faria, reforçou o compromisso de massificar a banda larga no Brasil. 

A mais importante e necessária solução para essa questão passa pela correção das distorções tributárias que há anos oneram os serviços de telecomunicações. Em 2019, a soma de todos os impostos, taxas e contribuições sobre os serviços de telecomunicações foi de R$ 65 bilhões. Isso corresponde a uma carga tributária total de 46,7% – mais de quatro vezes maior que a média dos 15 países que mais acessam banda larga móvel no mundo. Foge de qualquer razoabilidade e dificulta os investimentos.

PIS/Cofins, Fust, Fistel, Funttel, Condecine e CFRP são apenas os tributos federais onerando diretamente o consumidor e, mais ainda, os mais vulneráveis. Somam-se a eles o ICMS, cuja diferença de alíquotas nos estados amplia as desigualdades regionais e o hiato digital.

Por exemplo, em Rondônia, a alíquota do ICMS é de 35%, com uma carga tributária total de 59,7%. Já em São Paulo, a alíquota do imposto é de 25%, com uma tributação total de 38,4%. Na prática, o consumidor de Rondônia compromete o dobro de sua renda com gastos em telecom comparado ao consumidor de São Paulo.

A proposta enviada pelo Executivo ao Congresso Nacional de unificação do PIS/Cofins tem o mérito de promover uma simplificação tributária e dar transparência. Mas uma alíquota única de 12 % implica em um aumento significativo na carga total do setor, o que amplia as barreiras ao avanço da conectividade e a implantação de novas tecnologias, como o 5G.

A história dos fundos setoriais de telecom no Brasil dá razão àqueles que advogam a ineficiência dos gastos públicos. De R$ 108 bilhões arrecadados pelo governo desde 2001, apenas 8% foram aplicados no próprio setor. Os tributos desidrataram as empresas, que poderiam ter expandido suas redes com investimentos diretos, e não geraram benefício à população via política pública.

Outro disparate é a tributação dos dispositivos de internet das coisas, que promete trazer infinitas possibilidades de aplicação com a implantação do 5G. A estimativa é que a receita média por dispositivo seja de R$ 12 por ano, enquanto os tributos chegam a R$ 14,73. Para alguns casos, essa receita fica na casa dos centavos. A conta não fecha – e ainda precisaria acrescentar a remuneração do investimento e o custo de manutenção e operação.

Não existe política pública mais poderosa para a digitalização do Brasil do que a redução da carga tributária do setor.

A ampliação da capacidade digital do país leva a saltos qualitativos na educação e a melhores condições de saúde, segurança pública e mobilidade urbana. Em uma amostra feita com 179 países divulgada pela UIT (União Internacional de Telecomunicações), o Brasil está isolado com a maior carga tributária setorial e situado no grupo de países de baixa renda per capita. Qualquer casualidade não é mero acaso.

A população merece uma tributação mais justa para os serviços de telecomunicações, na qual a eliminação das distorções tributárias irrigará – e iluminará com conectividade – os desertos digitais.

* Marcos Ferrari é economista e presidente do SindiTelebrasil. Foi diretor de infraestrutura do BNDES e ex-secretário de Assuntos Econômicos do Ministério do Planejamento.

LEIA TAMBÉM:

26/10/2020
Alta carga tributária de telecom mostra miopia em relação à conectividade, diz Ferrari

15/09/2020
Telecomunicações defendem uma reforma tributária ampla e completa

10/09/2020
Distorções tributárias e desertos digitais

08/09/2020
Relator da PEC 45 diz que sistema tributário tem de ser confiável

28/08/2020
Aumentar imposto do setor de telecom é impedir a economia digital no Brasil

15/06/2020
Conectividade é plataforma para o desenvolvimento socioeconômico

22/05/2020
Usuários de serviços de telecom pagaram R$ 65 bilhões em tributos no ano passado

19/05/2020
Banda larga no Brasil custa menos da metade da média mundial e tem a maior carga tributária

11/02/2020
Carga tributária sobre telecom continua considerando celular como bem de luxo

07/11/2019
Reforma tributária deve simplificar a tributação e melhorar o ambiente de negócios



Painel Telebrasil 2020 - Evento Digital - 08, 15, 22 e 29 de setembro 

Soluções para o 5G serão técnicas e Ministério das Comunicações fará diálogo com operadoras

Resultados de reunião entre empresas de telecomunicações associadas à Conexis e o ministro Fabio Faria foram considerados posit ...

LEIA MAIS



Leis da desoneração do IoT e que moderniza o Fust trazem avanços para as telecomunicações

Sanção do PL 172/2020, no entanto, deixou de fora mecanismo que daria maior efetividade aos investimentos em políticas públicas ...

LEIA MAIS



Mitsubishi Electric cria programa de capacitação gratuita nas novas tecnologias

Empresa global de automação centraliza os treinamentos em big data, machine learning e IoT. As aulas acontecem por meio de apre ...

LEIA MAIS



Organizações reclamam da falta de qualificação dos profissionais de Internet das Coisas

Lacuna de habilidades é um dos pontos críticos para o incremento dos negócios conectados, revela a pesquisa IoT Signals, produz ...

LEIA MAIS




Agência Telebrasil © 2018-2020 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte