Agência Telebrasil
Expediente
Telebrasil



O SindiTelebrasil agora é Conexis Brasil Digital. Saiba mais.

Teles querem preço justo para migração das concessões de telefonia
Agência Telebrasil
15/09/2020

Oi e Vivo adiantam que só vão aceitar transformar os atuais contratos se cálculos de bens reversíveis e saldos pendentes fizerem sentido para as empresas.

As maiores concessionárias de telefonia do Brasil, Oi e Vivo, ressaltaram durante o workshop A aplicação do novo Marco Legal de Telecomunicações, realizado na terça-feira, 15/09, no Painel Telebrasil 2020, que só vão embarcar na migração dos contratos do STFC (Serviço Telefônico Fixo Comutado) para autorizações se os valores envolvidos, notadamente em bens reversíveis e no saldo de obrigações passadas, forem vantajosos do ponto de vista dos negócios.

Ao iniciar o debate, o diretor de Regulação do SindiTelebrasil, José Bicalho, lembrou que a discussão começou em 2016, com o sentido de permitir a adaptação das concessões de telefonia para adaptações de serviço. Foi quando se viu a oportunidade de trabalhar também questões superimportantes como as prorrogações sucessivas de concessões, espectro e direito de uso satélite, e até mesmo a criação do mercado secundário de espectro. "Não por acaso o projeto ganhou apoio massivo das empresas. Agora é garantir que esse modelo possa trazer a segurança jurídica para as empresas que permita seguir em frente com a adaptação”, adicionou Bicalho.

A Anatel promete as primeiras regras sobre o tema até o fim de 2020, mas o saldo efetivo, quanto deverá ser assumido em compromissos de investimento, só deve aparecer em 2022. “A regulamentação da adaptação tem que dar a direção do que serão os compromissos de investimento, o que se espera deles, para que as concessionárias tenham maior clareza do que podem apresentar para ter o pleito avaliado. O que falta é o preço de quanto isso vale, esse saldo de conversão de recursos para a adaptação. Mas a contratação da consultoria internacional atrasou e ela deverá ter prazo até o segundo semestre de 2021”, indicou o superintendente de Planejamento e Regulamentação da agência, Nilo Pasquali.

As prestadoras, como têm insistido ao longo dessas tratativas, reiteraram que as condições precisam ser vistas como vantajosas para os grupos econômicos para que haja interesse. “Na nossa visão, o objetivo principal do novo marco legal (lei 13.879/19) foi viabilizar investimentos. Ele dá às concessionárias a faculdade de migrar, mas há desafios, como a composição do saldo. Para que seja feito de maneira adequada, é fundamental que se reconheça que já vivemos um cenário de insustentabilidade do STFC. E um ponto central no cálculo é a valoração dos bens reversíveis. Se essa valoração não for bem feita, as chances de não haver um consenso são muito grandes”, afirmou a vice-presidente de Assuntos Regulatórios da Vivo, Camilla Tápias.

Para a Oi, o valor dos bens reversíveis também será crucial. “É uma oportunidade de se reafirmar conceitos consagrados na Lei no que diz respeito à reversibilidade de bens, como o conceito da proporcionalidade. Ou seja, o bem que serve a mais de um serviço só é reversível na quantidade proporcional necessária ao uso do serviço concedido. Além disso, a Oi defende que a telefonia fixa seja a última solução, que só exista obrigação de telefone fixo onde não houver alternativa”, emendou a diretora de Assuntos Regulatórios da Oi, Adriana Cunha.

Segundo Rodolfo Macarrein, diretor da consultoria Oliver Wyman, há um fenômeno que enriquece o momento de transição do setor de telecomunicações no País. “Hoje no Brasil temos um ambiente, apesar do caos, apesar da Covid-19, apesar dos impactos econômicos, que sinaliza um futuro de abundância, não de escassez. Basta ver o aumento da demanda dos serviços de telecomunicações. É neste momento que se discute a regulamentação para migrar de concessão para autorização. Isso deve ser feito de uma forma que seja muito atrativa economicamente, não só para as operadoras, mas para o Brasil. Se for muito carregado, as operadoras não vão se interessar.”

Os debates sobre diversos temas terão sequência nos dias 22 e 29 de setembro. As inscrições são gratuitas, e a programação completa do Painel pode ser acessada no site http://paineltelebrasil.org.br/.

LEIA TAMBÉM:

29/09/2020
Conexis Brasil Digital: Telecomunicações nos mantêm conectados ao que realmente importa

29/09/2020
BNDES quer ser o articulador para o Brasil ter mais infraestrutura

29/09/2020
Novas regras dão maior segurança para investimentos em telecom

29/09/2020
TIM: Brasil pode se tornar líder em 5G com Open RAN

29/09/2020
Segurança no 5G está no centro das atenções da Comissão Europeia

29/09/2020
Fórum 5G Brasil lança documento sobre o impacto da nova geração de comunicações móveis

29/09/2020
Nokia quer ser orquestrador do 5G brasileiro e defende estratégia Open RAN

29/09/2020
Adidas Brasil: mais que aumentar as vendas online, a hora é de inovar nos produtos

29/09/2020
Siemens do Brasil: grande revolução do 5G será a Internet das Coisas

29/09/2020
5G tornará a conexão entre veículos, condutores e passageiros mais segura, sustentável e divertida



Painel Telebrasil 2020 - Evento Digital - 08, 15, 22 e 29 de setembro 

Reforma tributária é a mãe para melhorar o ambiente de negócios no Brasil

Ao participar do Facebook Connectivity, o presidente-executivo da Conexis Brasil Digital, Marcos Ferrari, sustentou que a coope ...

LEIA MAIS



Estudo da LCA defende mitigação e mostra que migração para banda KU será 7,8 vezes mais caro

Levantamento mostra que a mitigação com filtros para resolver as possíveis interferências do 5G custaria, R$ 224,13 milhões, en ...

LEIA MAIS



Mitsubishi Electric cria programa de capacitação gratuita nas novas tecnologias

Empresa global de automação centraliza os treinamentos em big data, machine learning e IoT. As aulas acontecem por meio de apre ...

LEIA MAIS



Organizações reclamam da falta de qualificação dos profissionais de Internet das Coisas

Lacuna de habilidades é um dos pontos críticos para o incremento dos negócios conectados, revela a pesquisa IoT Signals, produz ...

LEIA MAIS




Agência Telebrasil © 2018-2020 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte