Agência Telebrasil
Expediente
Telebrasil



O SindiTelebrasil agora é Conexis Brasil Digital. Saiba mais.

Satélites na expectativa sobre a decisão da Anatel na banda C
Agência Telebrasil
22/09/2020

Brasil tem 16 satélites nacionais e 40 estrangeiros em operação, e há três a serem lançados, dos quais dois brasileiros.

O mercado de satélites terá um importante papel na difusão do 5G, principalmente como backhaul para as operadoras móveis e conectividade em regiões remotas. Mas até lá, é um setor que está no centro de outro debate: uma decisão técnica que precisa ser tomada pela Anatel, sobre como mitigar as interferências na banda C estendida decorrente do uso da quinta geração na faixa de 3,5 GHz.

O tema foi discutido no workshop O Futuro do Mercado de Satélites, durante o Painel Telebrasil 2020. Moisés Moreira, conselheiro da Anatel, lembrou que o Brasil tem operando no país 16 satélites nacionais e 40 estrangeiros e há três a serem lançados, dos quais dois brasileiros. O crescimento da capacidade orbital de 2017 a 2021 será de mais de 86%, o que, na sua avaliação, comprova a consolidação desse setor.

Ele destacou a locação crescente das faixas adicionais para prestação de serviços satelitais. Além das tradicionais bandas C e Ku, o conselheiro ressaltou que há uma utilização cada vez maior da banda Ka e mais recentemente foram destinadas as bandas Q e V. "A Anatel, no momento, está estudando quais serão as condições futuras para o uso dessas duas faixas", disse.

Frederico Sato, diretor da Roland Berger Consultoria, contratada pelo Sindisat para fazer um estudo sobre a migração da banda C – da banda C estendida para a banda C, falou sobre os impactos diretos ligados à liberação da banda C-estendida, o 3,6 GHz. "Hoje tem uma série de serviços que impactam nessa faixa e também na banda C padrão. São eles serviços de broadcasting, o TVRO, que é a TV via satélite, o backhaul de telefonia móvel e também serviços de dados que não atendem apenas empresas, mas também governo e órgãos governamentais", observou.

Na sua avaliação, quando se trata da migração da, há duas grandes preocupações; a primeira é a própria limpeza da faixa e a segunda é a harmonização dos serviços migrados. Ele pontuou que a preservação da qualidade dos serviços prestados não envolve apenas a liberação da frequência, mas também a convivência entre o 5G e as aplicações da banda C.

Sato estima que haveria impacto sobre 15 satélites, entre brasileiros e estrangeiros, que estão em operação no País. Esse movimento, para ele, envolveria o ressarcimento das operações satelitais atingidas. Ele não revelou qual seria esse valor, apesar de já ter sido calculado pela consultoria.

Sobre o convívio da banda C com o 5G, Javier Veglison Hernando, diretor de espectro da Hispasat, afirmou que esse cenário não é possível na mesma faixa de frequência e considerou que o convívio em faixa adjacente é um desafio para a Anatel.

Hernando ressaltou que há duas questões a serem consideradas, como a saturação do LNB (conversor de baixo ruído), profissional, e as interferências fora da faixa. Ele se alinha com a proposta do Sindisat de adoção de uma banda de guarda de pelo menos 40 MHz entre a operação do serviço móvel e a operação do segmento satelital profissional. "Quanto maior a banda de guarda, menores serão as perdas de inserção e os efeitos negativos que os filtros que podem ser utilizados produzirão", finalizou.

Para garantir a proteção das estações de satélite, também são recomendadas medidas como limitar a potência das estações radiobase 5G na parte alta das faixas, instalação de um filtro RF em todas as estações satelitais e o estabelecimento de um limite de potência emitida fora da faixa aos terminais 5G.

O Painel Telebrasil 2020 terá também programação no dia 29 de setembro. Assista no site www.paineltelebrasil.org.br.

LEIA TAMBÉM:

29/09/2020
Conexis Brasil Digital: Telecomunicações nos mantêm conectados ao que realmente importa

29/09/2020
BNDES quer ser o articulador para o Brasil ter mais infraestrutura

29/09/2020
Novas regras dão maior segurança para investimentos em telecom

29/09/2020
TIM: Brasil pode se tornar líder em 5G com Open RAN

29/09/2020
Segurança no 5G está no centro das atenções da Comissão Europeia

29/09/2020
Fórum 5G Brasil lança documento sobre o impacto da nova geração de comunicações móveis

29/09/2020
Nokia quer ser orquestrador do 5G brasileiro e defende estratégia Open RAN

29/09/2020
Adidas Brasil: mais que aumentar as vendas online, a hora é de inovar nos produtos

29/09/2020
Siemens do Brasil: grande revolução do 5G será a Internet das Coisas

29/09/2020
5G tornará a conexão entre veículos, condutores e passageiros mais segura, sustentável e divertida



Painel Telebrasil 2020 - Evento Digital - 08, 15, 22 e 29 de setembro 

Soluções para o 5G serão técnicas e Ministério das Comunicações fará diálogo com operadoras

Resultados de reunião entre empresas de telecomunicações associadas à Conexis e o ministro Fabio Faria foram considerados posit ...

LEIA MAIS



Leis da desoneração do IoT e que moderniza o Fust trazem avanços para as telecomunicações

Sanção do PL 172/2020, no entanto, deixou de fora mecanismo que daria maior efetividade aos investimentos em políticas públicas ...

LEIA MAIS



Mitsubishi Electric cria programa de capacitação gratuita nas novas tecnologias

Empresa global de automação centraliza os treinamentos em big data, machine learning e IoT. As aulas acontecem por meio de apre ...

LEIA MAIS



Organizações reclamam da falta de qualificação dos profissionais de Internet das Coisas

Lacuna de habilidades é um dos pontos críticos para o incremento dos negócios conectados, revela a pesquisa IoT Signals, produz ...

LEIA MAIS




Agência Telebrasil © 2018-2020 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte