Agência Telebrasil
Expediente


A Telebrasil
  • 22, 23 e 24 de Maio, 2018
  • Royal Tulip Alvorada - Brasília / DF

Telecomunicações terão papel fundamental na agenda digital do País
Agência Telebrasil
23/05/2018

Definir a agenda digital deveria ser uma das prioridades do governo brasileiro para evitar que o gap digital existente hoje se aprofunde ainda mais. Esse foi o consenso dos participantes do painel Uma agenda estratégica para o Brasil Digital, que discutiu o tema durante o segundo dia do Painel Telebrasil 2018, que se encerra amanhã, 24/05.

“Há um processo de transformação social e econômica que é inexorável, as sociedades estão se transformando em digitais e a reflexão que temos de fazer é qual o papel que vamos exercer nesse cenário”, observou Sergio Paulo Gallindo, presidente da Associação Brasileira das Empre-sas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brascomm).

O executivo lembrou que há dois projetos de lei importantes para o setor que tramitam no Congresso Nacional e, se aprovados, poderiam ter grande impacto nesse mercado. Um deles, o PLC 79, atualiza o marco regulatório e, na sua avaliação, poderá levar ao destravamento de investimentos privados. O outro diz respeito à proteção de dados pessoais. “Vergonhosamente, o Brasil é um dos poucos que não têm uma legislação a esse respeito”, afirmou.

Para o conselheiro da Anatel Leonardo Euler, a transformação digital do País vai passar por um ponto fundamental que é a conectividade. “Esse deve ser o principal foco e levar a banda larga para o centro de políticas públicas”, ressaltou.

Ele concorda que parte dessa agenda digital está presente em projetos tramitando no Congresso Nacional, como o PLC 79 e a chamada Lei do Fust, mas há ainda outras áreas que podem contribuir. Por exemplo, a oferta de uma ampla gama de espectro por parte da Anatel para que as prestadoras de serviços possam avançar em novos serviços. “Na oferta dessas faixas, seria importante dar sequência ao conceito de se pagar menos por elas em troca do que se pode fazer para a sociedade”, disse.

Para Camila Tápias, vice-presidente de Assuntos Corporativos da Vivo, é preciso lembrar que há “dinheiro velho” que pode subsidiar a chegada das prestadoras de serviços em lugares mais afastados onde não há competição. Ela se refere ao que poderia ser obtido na troca de multas por coberturas, como nos TACs, da troca de bens reversíveis ou mesmo da aprovação do PLC 79.

A executiva ressaltou que a Vivo tem feito seu papel de levar a conectividade a vários locais em todo o País. Mas também vem trabalhando na questão da digitalização, ou seja, proporcionar uma vida digital mais rica a seus clientes.

Proporcionar uma melhor experiência ao cliente faz parte do tripé que a Claro vem trabalhando, de acordo com Rodrigo Marques, diretor executivo de Estratégia e Gestão Operacional da Claro Brasil. Também fazem parte dessa estratégia o esforço para a entrega de novos serviços e o uso interno dessas ferramentas avançadas para ganho de eficiência da empresa.

Um dos segmentos que está conhecendo o valor dessa transformação digital é o audiovisual, na opinião de Christian de Castro, presidente da Ancine. “Hoje tem uma geração completa tem grande convivência com o digital principalmente por conta do conteúdo oferecido”, ressaltou.

“Quando tecnologia, mídia e entretenimento estão sintonizados, o crescimento exponencial da digitalização acontece”, afirmou. Como exemplo, citou a Netflix, que acelerou seu valor à medida que ganhou capacidade tecnológica para entregar seus produtos em todo o mundo com a mesma qualidade e custos acessíveis.

Segundo Vinicius Dalben, vice-presidente de Estratégia da Ericsson, o setor precisa ser menos autocentrado e mais horizontal, vendo os demais mercados que demandam fortemente tecnologia. “Tenho a convicção de que o setor de telecomunicações é o mais capacitado para fazer essas orquestrações entre todas as verticais, unindo políticas públicas e privadas”, afirmou. Assistam a íntegra do painel Uma Agenda Estratégica para o Brasil Digital, realizado no Painel Telebrasil 2018.

LEIA TAMBÉM:

18/06/2018
Tributo "Zero" para um Brasil no Século XXI

18/06/2018
Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

18/06/2018
Expansão da banda larga passa pelo uso correto dos fundos setoriais

18/06/2018
Como agente arrecador do Fisco, Anatel tem a missão de buscar a eficiência no setor

18/06/2018
Relator detalha proposta para mudar sistema tributário no Brasil

18/06/2018
Serviços de telecomunicações são singulares, essenciais e estruturantes

18/06/2018
Proposta do Centro de Cidadania Fiscal prevê extinção de impostos e criação de IVA único

18/06/2018
Brasil errou ao deixar que os estados assumissem a tributação de setores estratégicos

17/06/2018
Fundos setoriais: setor precisa levar posição do TCU ao Supremo Tribunal Federal

12/06/2018
Telecomunicações enumera ações para levar Internet para mais brasileiros






Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

Serviços bons e mais baratos dependem de políticas públicas que permitam baixar a carga de quase 50% de impostos paga hoje pelo ...

LEIA MAIS



Jornal Correio Braziliense traz caderno especial com debates e propostas do Painel Telebrasil 2018

O jornal Correio Braziliense traz em sua edição desta terça-feira (5) um caderno especial com os temas e debates realizados no ...

LEIA MAIS



Agência Telebrasil Copyright © 2018 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte