Agência Telebrasil
Expediente


A Telebrasil
  • 22, 23 e 24 de Maio, 2018
  • Royal Tulip Alvorada - Brasília / DF

TIM: é hora de o Brasil romper o círculo vicioso de uma regulação pré-histórica
Agência Telebrasil
23/05/2018

O presidente da TIM Brasil, Stefano De Angelis, defendeu que o Brasil precisar romper o círculo vicioso de uma regulação pré-histórica, uma alta carga tributária e fundos não aplicados e evoluir para um círculo virtuoso que inclua imediata revisão regulatória, aplicação dos fundos setoriais e uma desoneração que se reflita em preços mais acessíveis para os consumidores.

Segundo ele, o novo paradigma é a banda larga, e o Brasil possui uma penetração baixa na oferta fixa, de apenas 40%, com um crescimento anual de apenas 1 ponto percentual. “Se continuarmos assim, vamos chegar a 2050 com penetração de 50%. Não é algo que o País pode aceitar, crescer apenas 1 ponto ao ano. Precisamos fazer algo para os próximos cinco anos, a exemplo do que ocorreu com a tecnologia wireless. Hoje o 4G já tem 93% de cobertura e cresceu 115% em março de 2018, uma tecnologia que há três anos quase nem existia", destacou o executivo.

De Angelis observou que a oferta da banda larga pode ser feita por meios alternativos, entre eles, por fibra óptica até a residência, o FTTH, que está em expansão. Mas reforçou que o acesso wireless tem custo seis vezes menor e tempo de desenvolvimento muito mais baixo. Devido ao custo, a expansão via FTTH demandaria 20 anos, mas o acesso wireless poderia acelerar o atendimento. “Esse é um ativo que tem de ser desenvolvido pela indústria com apoio do poder público”, sugeriu.

De Angelis afirmou que, devido às diferenças socioeconômicas, o problema da banda larga não existe para os 10% mais ricos, para os quais a penetração é de 68%. Segundo ele, é na parcela dos 60% mais pobres que o setor pode construir as oportunidades de negócio.

Entre as propostas para as telecomunicações, ele defendeu a necessidade de priorizar os investimentos a partir dos recursos que surgirão após a aprovação do PLC 79 e da liberação dos fundos setoriais. Ele destacou ainda o acesso à infraestrutura de dutos e postos. E advertiu que não se priorize a arrecadação nos futuros leilões. “Para cada real a mais pago pelas frequências, são menos investimentos”, resumiu De Angelis.

Assista a íntegra da apresetação do presidente da TIM Brasil no Painel Telebrasil 2018.

LEIA TAMBÉM:

18/06/2018
Tributo "Zero" para um Brasil no Século XXI

18/06/2018
Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

18/06/2018
Expansão da banda larga passa pelo uso correto dos fundos setoriais

18/06/2018
Como agente arrecador do Fisco, Anatel tem a missão de buscar a eficiência no setor

18/06/2018
Relator detalha proposta para mudar sistema tributário no Brasil

18/06/2018
Serviços de telecomunicações são singulares, essenciais e estruturantes

18/06/2018
Proposta do Centro de Cidadania Fiscal prevê extinção de impostos e criação de IVA único

18/06/2018
Brasil errou ao deixar que os estados assumissem a tributação de setores estratégicos

17/06/2018
Fundos setoriais: setor precisa levar posição do TCU ao Supremo Tribunal Federal

12/06/2018
Telecomunicações enumera ações para levar Internet para mais brasileiros






Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

Serviços bons e mais baratos dependem de políticas públicas que permitam baixar a carga de quase 50% de impostos paga hoje pelo ...

LEIA MAIS



Jornal Correio Braziliense traz caderno especial com debates e propostas do Painel Telebrasil 2018

O jornal Correio Braziliense traz em sua edição desta terça-feira (5) um caderno especial com os temas e debates realizados no ...

LEIA MAIS



Agência Telebrasil Copyright © 2018 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte