Internet das Coisas: um universo de oportunidades - Agência Telebrasil

Agência Telebrasil
Expediente


A Telebrasil

Internet das Coisas: um universo de oportunidades
Agência Telebrasil
24/05/2018

A GSMA, associação global da indústria móvel, participa de 49 projetos de Internet das Coisas e trabalha, nesse momento, para ampliar a conscientização do mercado e o suporte às redes Low Power Wide Area (LPWA), criadas para conectar milhões de "coisas" de menor valor agregado, revelou o diretor de Políticas da GSMA, Stefano Nicoletti, durante apresentação no Painel Os caminhos para a Internet das Coisas, no Painel Telebrasil 2018.

"Do ponto de vista das empresas, é preciso garantir um ambiente de plena conectividade e disponibilidade, privacidade e integridade desses sistemas. Enquanto os serviços precisam de interfaces e equipamentos acessíveis, garantia de privacidade, custos mais baixos e redução de consumo de energia", destacou. Ele citou que, em 2025, a expectativa é de existir 25 bilhões de objetos conectados no mundo. "Temos que assegurar que esse mercado tenha padronização. A projeção é de um crescimento exponencial", advertiu o executivo da GSMA.

Com o tema Internet das Coisas à mesa, o secretário de Políticas Públicas do MCTIC, Thiago Camargo, aproveitou o Painel Telebrasil 2018 para anunciar um projeto de sua Secretaria: uma proposta de moratória tributária para IoT com prazo de 10 anos. O conselheiro da Anatel Aníbal Diniz observou que as prestadoras têm cumprido o compromisso de investimentos no país e o governo, por sua vez, tem um papel a cumprir no estímulo do financiamento público para desenvolver infraestrutura de telecomunicações em regiões sem boas condições de desenvolvimento econômico.

Diniz faz parte de um grupo dentro da agência que trabalhou em uma minuta de projeto de lei para alterar o Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust). O objetivo dessas mudanças é permitir que o fundo setorial seja usado na implantação de infraestrutura de banda larga em regiões menos atraentes do ponto de vista de negócios para as empresas de telecomunicações.

O conselheiro detalhou o trabalho para identificar a situação em todo o País, sobretudo, as regiões que mais dependem de implantação de infraestrutura, seja para rede móvel ou de alta capacidade. "O resultado é uma proposição para usar o fundo setorial no financiamento para a expansão da banda larga nessas regiões, menos competitivas", afirmou.

Gargalos e financiamento

O diretor-executivo de Assuntos Regulatórios da Claro Brasil, Oscar Petersen, ressaltou que é preciso agir para reduzir os gargalos nos processos de licenciamento para permitir a instalação de ERBs, como limitações de distância e legislações municipais. "Há cidades em que não se pode instalar ERBs, diante das limitações; se isso não for resolvido teremos problemas para implantar o 5G. Temos que unir esforços com os municípios. Nesse sentido, Anatel e MCTIC fazem muita diferença", reforçou.

Um universo de possibilidades a ser explorado. Assim a Oi define o mercado de Internet das Coisas, explica o diretor de Estratégia, Tecnologia e Arquitetura, Mauro Fukuda."Temos trabalhado muito na infraestrutura de rede em experimentos desenvolvidos em laboratório, um projeto com a Nokia. Outro foco são os modelos operacionais de manutenção e controle", afirmou.

Ricardo Rivera, responsável pela área de TICs no BNDES, ressaltou que o banco está estudando financiamentos para IoT. "Queremos ajudar no capital de giro do fornecedor de tecnologia", afirmou. Quando ao Fust, Rivera endossou a importância para os investimentos no País. Assistam a íntegra do Painel.

LEIA TAMBÉM:

01/08/2018
Expansão das telecomunicações garantiu crescimento econômico ao Brasil

01/08/2018
Legislação precisa migrar do passado para o futuro

31/07/2018
Anatel: números expressam o sucesso do modelo

31/07/2018
Vinte anos de privatização das telecomunicações

09/07/2018
Aprovação do PLC 79/16 abre espaço para mais serviços via satélite

18/06/2018
Tributo "Zero" para um Brasil no Século XXI

18/06/2018
Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

18/06/2018
Expansão da banda larga passa pelo uso correto dos fundos setoriais

18/06/2018
Como agente arrecador do Fisco, Anatel tem a missão de buscar a eficiência no setor

18/06/2018
Relator detalha proposta para mudar sistema tributário no Brasil




 

20 anos depois, o setor de telecom e os clientes passaram por uma revolução e anseiam por um Brasil Digital

O Brasil avançou muito nessas duas décadas pós privatização e, na opinião dos CEOs das prestadoras de serviços de telecomunicaç ...

LEIA MAIS



Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

Serviços bons e mais baratos dependem de políticas públicas que permitam baixar a carga de quase 50% de impostos paga hoje pelo ...

LEIA MAIS



4G alcança 4071 municípios no Brasil

Durante os seis primeiros meses do ano, 16 milhões de novos chips 4G entraram em operação, somando um total de 118 milhões de a ...

LEIA MAIS



Brasil Digital - O futuro é agora - é o tema da revista do Painel Telebrasil 2018

Edição da revista, com 104 páginas, consolida os debates realizados no evento, que reuniu a indústria de Telecomunicações.

...

LEIA MAIS



Telebrasil publica os trabalhos do Projeto 5G Brasil

Iniciativa reúne representantes da indústria, as prestadoras de serviços de telecomunicações, o governo federal, a Anatel, a ac ...

LEIA MAIS



Índice de reclamações de usuários de telecom cai 15,6% no 1º semestre

Redução confirma tendência de queda nas reclamações já verificada nos anos anteriores. Em 2017, por exemplo, o índice já tinha ...

LEIA MAIS



Agência Telebrasil Copyright © 2018 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte