Agência Telebrasil
Expediente


A Telebrasil

Formação de mão de obra atual não atende demanda do setor de TICs
Agência Telebrasil
28/06/2019

Em debate na Câmara dos Deputados, a Confederação Nacional da Tecnologia da Informação e Comunicação (Contic), entidade que reúne 75 mil empresas, aponta porque o mercado precisa investir em qualificação profissional específica para a transformação digital.

A transformação digital exige respostas mais rápidas dos sistemas de formação e qualificação profissional, o que justifica aportes específicos em áreas de alta demanda e pouca oferta, como internet, mobile, computação em nuvem, internet das coisas, Big Data, etc. É o que defendeu a   Confederação Nacional da Tecnologia da Informação e Comunicação (Contic), entidade que reúne mais de 75 mil empresas de TICs, como eixo estruturante do projeto de lei 10.762/18, que cria o sistema de aprendizagem das tecnologias da informação e comunicação, em audiência pública realizada nesta quinta-feira, 27/06, na Câmara Federal.

O presidente da Contic, Edgar Serrano, afirmou que o modelo atual – no sistema S tradicional não atende ao mercado de tecnologia da informação e comunicações.  “Instalar rede é importante, mas precisamos tratar de internet, social, mobile, cloud, Big Data. Precisamos treinamento para esse tipo de tecnologia, para atender demandas modernas e não é qualquer curso básico para fazer essa formação. No nosso, falta gente para trabalhar”, observou.

A proposta de TICs é criar um sistema de aprendizagem, financiado pelos recursos já existentes: a parcela que as empresas do setor já recolhem para o Sistema S, equivalente a 2,5% das folhas de pagamento. Segundo a Contic, valores anuais próximos a R$ 1 bilhão, ou cerca de 5% das receitas anuais do Sistema S atual. “Não queremos um centavo dos outros, apenas o que é gerado pela riqueza das nossas empresas. À indústria o que é da indústria, às TICs o que é das TICs”, enfatizou Serrano. 

A Confederação Nacional da Tecnologia da Informação e Comunicação (Contic), reúne 75 mil empresas, incluindo as operadoras de telecom, e dois milhões de trabalhadores. A confederação é formada pela Federação Brasileira de Telecomunicações (Febratel), Federação Nacional das Empresas de Informática (Fenainfo) e pela Federação Nacional de Instalação e Manutenção de Infraestrutura de Redes de Telecomunicações e de Informática (Feninfra).

Na audiência pública, o setor de TICs mostrou que os cursos atuais não respondem ao potencial econômico para o país e não estão preparados para as novas tecnologias como o big data, a inteligência artificial, entre outras.  Por sua vez, Sesi, Senai, Sesc e Senac, responsáveis pelo sistema S tradicional, apresentaram, a formação em software de gigantes do setor como Microsoft, Cisco, Adobe, Oracle, IBM, Red Hat, entre outras.

Mas como indicou o presidente da Febratel, Eduardo Levy, a lógica exige capacidades em criar o próprio software. “É importante que isso continua. Mas o que estamos falando é, que software é esse? Alguém desenvolveu. Mas que tecnologia foi essa? É disso que estamos falando. De algo que se antecipa a isso.”

O vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio, Luiz Bittencourt da Silva, sugeriu adequar o portfólio de tecnologia existente no sistema S às novas demandas e ao modelo já existente, e que funciona há 70 anos. O diretor de educação e tecnologia da CNI, também diretor geral Senai e do Sesi, Rafael Lucchesi, observou que o sistema S tradicional possui 346,3 mil matrículas anuais em educação profissional na área de TIC, com formação em software e hardware, desenvolvida a partir das demandas das empresas.

Representando o governo, o diretor do departamento de ciência, tecnologia e inovação do MCTIC, José Gontijo, observou que a transformação digital exige uma demanda de formação de pessoal para TICs e o Brasil precisa criar esses especialistas.  Para o especialista do MCTIC, o diálogo e o consenso são o melhor caminho para endereçar a questão de forma a atender as necessidades do País e do setor privado.

O relator do projeto de lei 10.762/18, Alex Santana (PDT-BA), ressaltou que a discussão é muito séria porque envolve "grandes empresas, grandes indústrias com interesse em capacitar seus funcionários e atender a demanda que é muito grande". Ainda de acordo com o parlamentar, o intuito é encontrar a melhor saída para todos e proporcionar oportunidades para a geração de empregos aos brasileiros.


LEIA TAMBÉM:

15/08/2019
BRICS: Telecomunicações são essenciais à economia digital

06/08/2019
ConTIC declara apoio integral à aprovação da MP da Liberdade Econômica

02/08/2019
Telecomunicações e Finanças lideram adoção da transformação digital

29/07/2019
Sem pessoal, o sistema de Ciência e Tecnologia está em risco no Brasil

11/07/2019
Brasil tem de ensinar as profissões do futuro

11/07/2019
Congresso precisa se sensibilizar para demanda de mão de obra em TICs

11/07/2019
Profissional do futuro é atento, curioso e despreza a zona de conforto

11/07/2019
Para governo, qualificação em TICs deve começar na escola

11/07/2019
Setor de TICs é que sabe onde estão as maiores demandas de qualificação

11/07/2019
Competitividade brasileira virá com mão de obra mais qualificada




Mitsubishi Electric cria programa de capacitação gratuita nas novas tecnologias

Empresa global de automação centraliza os treinamentos em big data, machine learning e Internet das Coisas. As aulas acontecem ...

LEIA MAIS



Especialistas descartam impacto de antenas e smartphones na saúde

Cobertura especial feita pela Newsletter Telebrasil mostra a falta de fundamento científico na onda de desinformação que avanço ...

LEIA MAIS



"Não há provas científicas contra antenas e telefones celulares", diz Renato Sabbatini

O CEO do Instituto Edumed e autor do relatório científico sobre o tema na Comissão Latino-americana de Altas Frequências e Saúd ...

LEIA MAIS



Potência de antenas celulares é muito baixa para causar danos à saúde

A afirmação é do diretor do Instituto Nacional de Telecomunicações, Carlos Nazareth Motta Marins. Ele refuta qualquer possibili ...

LEIA MAIS



Agência Telebrasil Copyright © 2018-2019 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte