Estado e iniciativa privada se unem para combater os ataques cibernéticos - Agência Telebrasil

Agência Telebrasil
Expediente


A Telebrasil

Estado e iniciativa privada se unem para combater os ataques cibernéticos
Agência Telebrasil
26/05/2018

Os ataques cibernéticos têm se intensificado, e são necessárias medidas para aprimorar a segurança. Somente os incidentes notificados de DDoS (Distributed Denial of Service, na sigla em inglês) tiveram aumento de 3,6 vezes em 2017, colocando o 300 Gbps como o novo "normal" dos ataques, chegando algumas vezes até 1 Tbps, segundo dados do Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.Br/NIC.br).

Ao apresentar os números dos incidentes notificados no ano passado, Cristine Hoepers, gerente-geral do CERT.Br/NIC.br, destacou que a segurança é inerentemente multissetorial, sendo necessária a cooperação para um ecossistema saudável. “Nenhum grupo ou estrutura única conseguirá fazer sozinha a segurança ou a resposta a incidentes – todos têm papel importante”, destacou.

Os desafios passam pela qualificação profissional, pois falta pessoal apto a trabalhar com, por exemplo, administração de sistema, segurança e desenvolvimento de software seguro, e pela certificação de dispositivos. “As vulnerabilidades sempre vão existir. Precisamos discutir, em nível global, a definição de requisitos de maturidade em segurança para fabricantes, ou seja, pensar na maturidade e não em segurança perfeita, porque ela não existe”, enfatizou.

Do lado das prestadoras de serviços de telecomunicações, Angelo Coelho, diretor de Segurança da Informação e Cibernética da Oi, destacou a medida de os equipamentos nas instalações do cliente terem senhas únicas para aumentar a segurança. “Dá trabalho, mas compensa. Preocupam-me agora os protocolos adormecidos que estão voltando”, disse. Annibal Sartori, diretor de Segurança da TIM, elogiou o plano apresentado pelo GSI. "Nós, prestadoras, temos que ajudar nesse projeto nacional”, pontuou.

Exercício simulado

Como forma de proteção à segurança nacional, o Comando de Defesa Cibernética (ComDCiber) do Exército Brasileiro prepara um exercício envolvendo o Estado e o setor privado. Trata-se de uma ação simulada para incrementar a proteção cibernética do País, prevista para acontecer de 3 a 6 de julho. Até o momento, 150 participantes estão registrados para participar, inclusive alguns bancos, antecipou o tenente-coronel Walbery Nogueira de Lima e Silva, ao participar da sessão temática Segurança cibernética: onde estamos e onde deveríamos estar?, realizada no Painel Telebrasil 2018.

Entre os resultados esperados, estão o exercício de processo decisório em diferentes níveis, verificação da efetividade dos protocolos internos, maior integração entre diferentes setores e sensibilização da alta administração da organização. As discussões oriundas do exercício poderão, segundo ele, embasar mudanças no cenário cibernético brasileiro.

“Hoje, o Brasil é considerado um país inseguro; precisamos aprimorar isto para voltar a atrair investimentos”, disse o comandante Alcimar Sanches Rangel, assessor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI).

Uma ação oficial para cuidar da defesa cibernética nacional é a elaboração de uma Política Nacional de Segurança da Informação, que está em tramitação na Câmara dos Deputados, conforme explicou à Agência Telebrasil o comandante Rangel, explicando que a política é pública, mas envolve a participação dos entes privados. Para confeccionar o plano foram feitas 96 reuniões envolvendo diferentes órgãos de governo, especialmente do Exército, responsável pela segurança cibernética nas Forças Armadas, e do Ministério da Defesa.

Assista à entrevista do tenente-coronel Walbery Nogueira de Lima e Silva, assessor do Comando de Defesa Cibernética do Exército Brasileiro.

LEIA TAMBÉM:

01/08/2018
Expansão das telecomunicações garantiu crescimento econômico ao Brasil

01/08/2018
Legislação precisa migrar do passado para o futuro

31/07/2018
Anatel: números expressam o sucesso do modelo

31/07/2018
Vinte anos de privatização das telecomunicações

09/07/2018
Aprovação do PLC 79/16 abre espaço para mais serviços via satélite

18/06/2018
Tributo "Zero" para um Brasil no Século XXI

18/06/2018
Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

18/06/2018
Expansão da banda larga passa pelo uso correto dos fundos setoriais

18/06/2018
Como agente arrecador do Fisco, Anatel tem a missão de buscar a eficiência no setor

18/06/2018
Relator detalha proposta para mudar sistema tributário no Brasil




 

20 anos depois, o setor de telecom e os clientes passaram por uma revolução e anseiam por um Brasil Digital

O Brasil avançou muito nessas duas décadas pós privatização e, na opinião dos CEOs das prestadoras de serviços de telecomunicaç ...

LEIA MAIS



Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

Serviços bons e mais baratos dependem de políticas públicas que permitam baixar a carga de quase 50% de impostos paga hoje pelo ...

LEIA MAIS



4G alcança 4071 municípios no Brasil

Durante os seis primeiros meses do ano, 16 milhões de novos chips 4G entraram em operação, somando um total de 118 milhões de a ...

LEIA MAIS



Brasil Digital - O futuro é agora - é o tema da revista do Painel Telebrasil 2018

Edição da revista, com 104 páginas, consolida os debates realizados no evento, que reuniu a indústria de Telecomunicações.

...

LEIA MAIS



Telebrasil publica os trabalhos do Projeto 5G Brasil

Iniciativa reúne representantes da indústria, as prestadoras de serviços de telecomunicações, o governo federal, a Anatel, a ac ...

LEIA MAIS



Índice de reclamações de usuários de telecom cai 15,6% no 1º semestre

Redução confirma tendência de queda nas reclamações já verificada nos anos anteriores. Em 2017, por exemplo, o índice já tinha ...

LEIA MAIS



Agência Telebrasil Copyright © 2018 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte