Agência Telebrasil
Expediente


A Telebrasil
  • 22, 23 e 24 de Maio, 2018
  • Royal Tulip Alvorada - Brasília / DF

Duas décadas depois da privatização, é hora de priorizar a experiência do cliente na era digital
Agência Telebrasil
24/05/2018

Investir em serviços de conteúdo com foco na experiência do cliente é o caminho para as prestadoras de telecomunicações ganharem competitividade e driblarem a concorrência em um ambiente de negócios cada vez mais digital, afirmou a sócia da McKinsey Marina Cigarini, ao fazer a apresentação de abertura do Painel dos CEOs: 20 anos de privatização e o começo de um novo ciclo, no Painel Telebrasil 2018.

Segundo a executiva, após duas décadas de privatização do setor de telecomunicações no Brasil, as prestadoras não podem perder a oportunidade de ganhar mercado em serviços focados na experiência do cliente. “A competição de oferta e infraestrutura é mais limitada do que a realizada no nível de experiência do cliente. No ambiente digital, é mais que necessário criar um ecossistema de experiência para o cliente”, destacou, citando como exemplo o WeChat, aplicativo chinês que oferece serviços diversos e tem cerca de um bilhão de usuários.

Marina Cigarini ressaltou que, em duas décadas, houve um grande desenvolvimento do setor, com avanços na prestação de serviços ao consumidor, mas o País ainda é desafiador para os investidores. Segundo Marina, a pressão na receita das prestadoras ainda é muito grande, principalmente em Capex (despesas e investimentos em bens de capital), que, no Brasil ultrapassa 20%, enquanto nos Estados Unidos fica em torno de 12%. Ela destacou ainda a carga tributária excessiva.

“Diante desse cenário, em que maioria das prestadoras, nos últimos cinco anos, não apresentou retorno sobre o capital investido, a decisão de colocar dinheiro no Brasil não é fácil. Porém, é preciso continuar investindo”, afirmou Marina, que citou os exemplos da Itália e do México, onde o compartilhamento de infraestrutura foi uma solução para baixar custos.

No caso do Brasil, a especialista em telecomunicações recomendou que projetos de inovação saiam do papel. “É fundamental ter objetivos claros, com planejamento, e acompanhar o que está sendo feito. Os planos não podem depender de governos, precisam ter continuidade”, disse. De acordo com a sócia da McKinsey, há questões importantes que ainda desafiam o mercado brasileiro, como o ambiente regulatório, modelos de concessão, acesso universal e segurança de informação e privacidade.

LEIA TAMBÉM:

18/06/2018
Tributo "Zero" para um Brasil no Século XXI

18/06/2018
Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

18/06/2018
Expansão da banda larga passa pelo uso correto dos fundos setoriais

18/06/2018
Como agente arrecador do Fisco, Anatel tem a missão de buscar a eficiência no setor

18/06/2018
Relator detalha proposta para mudar sistema tributário no Brasil

18/06/2018
Serviços de telecomunicações são singulares, essenciais e estruturantes

18/06/2018
Proposta do Centro de Cidadania Fiscal prevê extinção de impostos e criação de IVA único

18/06/2018
Brasil errou ao deixar que os estados assumissem a tributação de setores estratégicos

17/06/2018
Fundos setoriais: setor precisa levar posição do TCU ao Supremo Tribunal Federal

12/06/2018
Telecomunicações enumera ações para levar Internet para mais brasileiros






Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

Serviços bons e mais baratos dependem de políticas públicas que permitam baixar a carga de quase 50% de impostos paga hoje pelo ...

LEIA MAIS



Jornal Correio Braziliense traz caderno especial com debates e propostas do Painel Telebrasil 2018

O jornal Correio Braziliense traz em sua edição desta terça-feira (5) um caderno especial com os temas e debates realizados no ...

LEIA MAIS



Agência Telebrasil Copyright © 2018 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte