Agência Telebrasil
Expediente


A Telebrasil

Brasil cai duas posições no Índice Global de Inovação
Agência Telebrasil
25/07/2019

País ocupa, agora, a 66ª no principal ranking do segmento, publicado anualmente pela Universidade Cornell, pelo INSEAD e pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). Na América Latina, Brasil fica atrás do Chile, da Costa Rica e do México.

Entre 129 países, o Brasil é o 66º mais inovador segundo o Índice Global de Inovação (IGI). O país perdeu duas posições em relação ao ano anterior, em que ocupava o 64ª lugar. Suíça, Suécia, Estados Unidos, Países Baixos e Reino Unido lideram o ranking divulgado nesta quarta-feira (24/7), em Nova Deli, na Índia. A China, por sua vez, segue em ascensão, agora em 14º lugar entre as nações mais inovadoras, ultrapassando o Japão (15º).

A classificação é publicada anualmente pela Universidade Cornell, pelo INSEAD e pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). Um dos fatores determinantes para o resultado foi a piora na avaliação dos insumos para inovação, que são o conjunto de ferramentas disponíveis no país para o desenvolvimento da inovação - o Brasil caiu de 58º para 60º lugar. Por outro lado, o país teve leve melhora de posição no subranking de resultados da inovação, saindo de 70º para 67º.

Apesar de ser a maior economia da América Latina e Caribe, o Brasil é apenas o 5º mais inovador entre as 19 economias da região, e segue atrás de Chile (51º), Costa Rica (55º) e México (56º). "O progresso do desempenho em inovação ainda é lento na América Latina e no Caribe, e o IGI indica que, apesar de melhorias incrementais e iniciativas encorajadoras, o potencial de inovação da região segue, em larga medida, inexplorado", afirma o documento.

Segundo a publicação, os brasileiros se destacam em pesquisa e desenvolvimento (P&D), tecnologias de informação e comunicação (TIC), comércio, escala de mercado e competição, trabalhadores especializados, absorção de conhecimento e criação de conhecimento, onde o Brasil aparece entre os 50 primeiros no mundo. O Índice também destaca a presença de empresas globais no país e ressalta que o Brasil é o único da região a abrigar um cluster de ciência e tecnologia de peso internacional.

A necessidade de tornar o Brasil mais inovador tem sido uma pauta constante da Associação Brasileira de Telecomunicações – Telebrasil. Um dos pontos essenciais foi incorporado às propostas da Telebrasil 2019, entregues às autoridades durante o Painel Telebrasil 2019, realizado em maio, em Brasília: a formação de capital humano qualificado para a inserção do País na sociedade do conhecimento.

O Índice Global de Inovação está na 12ª edição e se tornou uma ferramenta quantitativa detalhada que auxilia em decisões globais para estimular a atividade inovadora e impulsionar o desenvolvimento econômico e humano. O IGI classifica 129 economias com base em 80 indicadores, que vão desde as taxas de depósito de pedidos de propriedade intelectual até a criação de aplicativos para aparelhos portáteis, gastos com educação e publicações científicas e técnicas.

LEIA TAMBÉM:

15/08/2019
BRICS: Telecomunicações são essenciais à economia digital

12/08/2019
Telebrasil participa do 5th encontro de ministros das Comunicações dos BRICS

25/07/2019
Brasil cai duas posições no Índice Global de Inovação

25/07/2019
Brasil tem 930 mil sites de comércio eletrônico

05/02/2019
BNDES seleciona 15 pilotos de Internet das Coisas para financiamento

10/10/2018
No BNDES, TICs são o pilar da mudança estratégica

10/10/2018
A hora é de preparar profissionais em quantidade e qualidade

09/10/2018
Confiança digital só acontecerá com união entre Governo, empresas e sociedade

09/10/2018
Brasil só recupera a competitividade com investimento em educação

09/10/2018
Revisão do modelo de formação de mão de obra é urgente no Brasil




Mitsubishi Electric cria programa de capacitação gratuita nas novas tecnologias

Empresa global de automação centraliza os treinamentos em big data, machine learning e Internet das Coisas. As aulas acontecem ...

LEIA MAIS



Especialistas descartam impacto de antenas e smartphones na saúde

Cobertura especial feita pela Newsletter Telebrasil mostra a falta de fundamento científico na onda de desinformação que avanço ...

LEIA MAIS



"Não há provas científicas contra antenas e telefones celulares", diz Renato Sabbatini

O CEO do Instituto Edumed e autor do relatório científico sobre o tema na Comissão Latino-americana de Altas Frequências e Saúd ...

LEIA MAIS



Potência de antenas celulares é muito baixa para causar danos à saúde

A afirmação é do diretor do Instituto Nacional de Telecomunicações, Carlos Nazareth Motta Marins. Ele refuta qualquer possibili ...

LEIA MAIS



Agência Telebrasil Copyright © 2018-2019 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte