Big data: uso positivo dos dados tem efeitos na sociedade - Agência Telebrasil

Agência Telebrasil
Expediente


A Telebrasil

Big data: uso positivo dos dados tem efeitos na sociedade
Agência Telebrasil
24/05/2018

Os investimentos feitos pelas prestadoras de serviços de telecomunicações em big data – uma poderosa tecnologia para que possam conhecer melhor seu cliente e a partir daí gerarem mais oportunidades de negócios – já refletem positivamente na sociedade, mesmo que ainda em iniciativas ainda não massificadas.Tanto é assim que acontece um esforço conjunto para que o uso da base de dados móveis seja peça importante em programas humanitários como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, que já contam com o apoio do GSMA via programa Big Data for Social Good.

No Painel Telebrasil 2018, Jeanine Vos, responsável pelo SDG Accelerator do GSMA, keynote do Painel O Big data e os benefícios para a sociedade, apresentou iniciativas em andamento que envolvem a participação das prestadoras móveis em programas públicos. Na Índia, por exemplo, a Airtel é parceira dos órgãos de saúde no combate à tuberculose. O país registra anualmente 2,8 milhões de casos novos. Com o big data, a prestadora de serviço consegue mapear as áreas de incidência da doença e antecipar novos focos.

No Japão, as prestadoras se uniram para endereçar alertas e instruções para a população em caso de terremoto. Estão nesse projeto a NTT DoCoMo, Soft Bank e KDDI. “Há um trabalho muito próximo dessas empresas e das agências e órgão governamentais”, observou Jeanine.

No Brasil também há ações relevantes. Em um trabalho conjunto, as prestadoras de serviços móveis deram início à operação nacional do sistema de alerta de desastres naturais via SMS. O serviço, ofertado desde fevereiro, conquistou inicialmente 2,3 milhões de cadastros e encaminhou 43 milhões de mensagens de alerta.

Inciativas próprias das prestadoras móveis também ganham espaço. A Vivo desenvolveu uma solução baseada em algoritmos de machine learning que permite mapear dados do tempo, deslocamento e indicadores de poluição. Essas informações permitem prever os níveis de poluição, que são enviados para a Prefeitura de São Paulo, a primeira parceira do projeto. “A partir do uso dessa plataforma e de medidas de prevenção, a poluição diminuiu muito na cidade”, observou Ricardo Sanfelice, vice-presidente de Estratégia Digital e Inovação da Vivo.

Na época das Olimpíadas 2016, a prefeitura carioca recebeu da TIM o chamado Mapa do Calor, que permitiu visualizar o deslocamento das pessoas, principalmente dos turistas estrangeiros que visitavam o Rio de Janeiro e estavam em roaming na rede da operadora. “A partir desses dados, a prefeitura definia a distribuição dos ônibus pela cidade”, afirmou Mario Girasole, vice-presidente de Assuntos Institucionais e Regulatórios da TIM.

Regulação

O big data ainda circula em uma zona cinza no que diz respeito à regulamentação. Essa é a opinião de Otávio Rodrigues, conselheiro da Anatel, que também abordou o tema durante o painel. “Do ponto de vista regulatório, haverá sempre um gap sobre os novos desenvolvimentos. Cabe ao regulador avaliar essa evolução à margem da regulação tradicional, o que acaba criando dilema sobre o próprio futuro”, ponderou.

Ele ressaltou que essa é uma questão mundial que ainda não tem uma solução implantada. Citou a linha que vem sendo adotada pela União Europeia para a proteção dos dados pessoais, enquanto o mercado americano tende a adotar medidas de proteção do consumidor.

A Agência Telebrasil disponibiliza a íntegra do painel O Big data e os benefícios para a sociedade, realizado no Painel Telebrasil 2018.

LEIA TAMBÉM:

01/08/2018
Expansão das telecomunicações garantiu crescimento econômico ao Brasil

01/08/2018
Legislação precisa migrar do passado para o futuro

31/07/2018
Anatel: números expressam o sucesso do modelo

31/07/2018
Vinte anos de privatização das telecomunicações

09/07/2018
Aprovação do PLC 79/16 abre espaço para mais serviços via satélite

18/06/2018
Tributo "Zero" para um Brasil no Século XXI

18/06/2018
Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

18/06/2018
Expansão da banda larga passa pelo uso correto dos fundos setoriais

18/06/2018
Como agente arrecador do Fisco, Anatel tem a missão de buscar a eficiência no setor

18/06/2018
Relator detalha proposta para mudar sistema tributário no Brasil




 

20 anos depois, o setor de telecom e os clientes passaram por uma revolução e anseiam por um Brasil Digital

O Brasil avançou muito nessas duas décadas pós privatização e, na opinião dos CEOs das prestadoras de serviços de telecomunicaç ...

LEIA MAIS



Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

Serviços bons e mais baratos dependem de políticas públicas que permitam baixar a carga de quase 50% de impostos paga hoje pelo ...

LEIA MAIS



4G alcança 4071 municípios no Brasil

Durante os seis primeiros meses do ano, 16 milhões de novos chips 4G entraram em operação, somando um total de 118 milhões de a ...

LEIA MAIS



Brasil Digital - O futuro é agora - é o tema da revista do Painel Telebrasil 2018

Edição da revista, com 104 páginas, consolida os debates realizados no evento, que reuniu a indústria de Telecomunicações.

...

LEIA MAIS



Telebrasil publica os trabalhos do Projeto 5G Brasil

Iniciativa reúne representantes da indústria, as prestadoras de serviços de telecomunicações, o governo federal, a Anatel, a ac ...

LEIA MAIS



Índice de reclamações de usuários de telecom cai 15,6% no 1º semestre

Redução confirma tendência de queda nas reclamações já verificada nos anos anteriores. Em 2017, por exemplo, o índice já tinha ...

LEIA MAIS



Agência Telebrasil Copyright © 2018 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte