Agência Telebrasil
Expediente


A Telebrasil
  • 8, 15, 22 e 29 de setembro, 2020 - Evento Digital

30 governos já usam plataforma das operadoras para medir isolamento social
Agência Telebrasil
14/05/2020

Durante a live “Mobile Big Data no combate à pandemia”, do Mobile Time, o presidente-executivo do SindiTelebrasil, Marcos Ferrari, lembrou que a plataforma Mapas de Calor está sendo usada para o combate à Covid-19 por governos estaduais e municipais

O presidente-executivo do SindiTelebrasil, Marcos Ferrari, disse nesta quinta-feira, 14/05, durante a live “Mobile Big Data no combate à pandemia”, do Mobile Time, que cerca de 30 governos estaduais e municipais já estão usando a plataforma Mapas de Calor, das operadoras de telefonia móvel, que auxilia a medição dos índices de isolamento social.

Ele explicou que a ferramenta considera o número de celulares por antena. “A gente não trabalha com dados pessoais. Não se sabe qual é o número, qual a operadora, muito menos quem é a pessoa. Só sabemos que determinado número de linhas se conectou em uma antena ou se movimentou ao longo do dia”, explicou.

Ferrari deu exemplo de Brasília para explicar o funcionamento da plataforma. “O normal é que durante a noite, as manchas de calor se concentrem na Asa Sul e na Asa Norte (bairros da capital), porque as pessoas estão em casa. Durante o dia, em condições normais, essas manchas se dissipam e vão para a Esplanada dos Ministérios, porque as pessoas vão trabalhar”, disse. “Em quarentena, se pressupõe que as manchas de calor permaneçam nas Asas todo o dia, porque as pessoas estão fazendo isolamento social”, completou.

Assim, o índice de isolamento é determinado pelo percentual de aparelhos que permanecem na mesma antena durante o dia em relação ao que foi registrado durante a noite. “É um dado gravado na antena, como se fosse um contador de linhas, vai contanto o número de linhas que ficam conectadas na antena e aquelas que se deslocam ao longo do tempo”, acrescentou.

Ferrari explicou que a plataforma é uma iniciativa voluntária e gratuita das quatro maiores operadoras do País – Claro, Oi, TIM e Vivo – motivadas pela experiência vivida nos países de origem, especialmente Espanha e Itália, que foram atingidos pela pandemia antes do Brasil. “Nós antecipamos essa tecnologia, montamos essa plataforma e oferecemos às autoridades públicas. Com esse nível de dados é possível fazer uma inferência estatística muito aproximada de como está ocorrendo o isolamento social.”

A plataforma está disponível para municípios acima de 500 mil habitantes, capitais, estados e governo federal. Para terem acesso, esses governos têm que assinar um Acordo de Cooperação Técnica, com todas as obrigações, e um Termo de responsabilidade e confidencialidade. O cadastro só pode ser feito por pessoa que possui um e-mail com terminação .gov e os documentos só podem ser assinados pela autoridade máxima do ente federado, governador ou prefeito. “Então, o nível de segurança que estamos impondo, mesmo sendo um dado agregado, está muito elevado e é exclusivamente para o combate à Covid-19.”

O presidente-executivo do SindiTelebrasil reforçou o fato de que a privacidade dos usuários está sendo preservada. “Por definição, a gente não trabalha com dado pessoal, os dados são estatísticos, gravados nas antenas. A gente não chega a essa camada de dados pessoais. A ferramenta mede deslocamento estatístico de aglomerações”, assegurou ele, acrescentando que o dado mostrado na ferramenta é sempre do dia anterior.

Ao ser questionado sobre a vigência da Lei Geral de Proteção de Dados, Ferrari afirmou que o setor sempre defendeu a LGPD, mas ponderou que antes é necessário regulamentar a lei e constituir a Autoridade Nacional de Proteção de Dados e o Conselho Nacional de Proteção de Dados.  “É isso que está precisando ser feito para dar segurança jurídica a todos os cidadãos e às empresas que trabalham com dados”, afirmou.

Por fim, Ferrari acrescentou que o grande legado positivo que ficará da pandemia será um ganho de produtividade para a sociedade como um todo, em função dos novos hábitos, como home office, educação a distância e telemedicina, por exemplo. “Vamos sair dessa pandemia um mundo mais digital. Em um mês fizemos no mundo todo o que levaria de 4 a 5 anos de planejamento.  É uma série de aplicações que encurtou o tempo e, com essas ferramentas, a economia vai ser mais produtiva”, concluiu.

LEIA TAMBÉM:

14/07/2020
Operadoras passam a oferecer visão mais detalhada de aglomerações

14/05/2020
30 governos já usam plataforma das operadoras para medir isolamento social

13/05/2020
Teletrabalho: trabalhadores dizem que modalidade veio para ficar no pós-Covid-19


Painel Telebrasil 2020 - Evento Digital - 08, 15, 22 e 29 de setembro 

Banco Central anuncia regulamento do PIX em live do Jota com SindiTelebrasil

O diretor de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução do Banco Central (BC), João Manoel Pinho de Mello, garante que o ...

LEIA MAIS



Vivo: digitalização aproxima ainda mais telecomunicações e sistema financeiro

Operadora diz que está negociando parcerias com instituições financeiras e vislumbra o potencial de oportunidades da transforma ...

LEIA MAIS



Mitsubishi Electric cria programa de capacitação gratuita nas novas tecnologias

Empresa global de automação centraliza os treinamentos em big data, machine learning e IoT. As aulas acontecem por meio de apre ...

LEIA MAIS



Organizações reclamam da falta de qualificação dos profissionais de Internet das Coisas

Lacuna de habilidades é um dos pontos críticos para o incremento dos negócios conectados, revela a pesquisa IoT Signals, produz ...

LEIA MAIS



Agência Telebrasil Copyright © 2018-2020 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte