Agência Telebrasil
Expediente

Especial Faixa Tributária

Serviços de telecomunicações são singulares, essenciais e estruturantes
Agência Telebrasil
18/06/2018

Para secretário geral da Contic e secretário executivo da Telebrasl, Cesar Rômulo, desatar o nó que prejudica o desenvolvimento das telecomunicações no Brasil passa, obrigatoriamente, pelo reconhecimento do Poder Público da relevância do setor na geração de riqueza.

Desatar o nó que prejudica o desenvolvimento das telecomunicações no Brasil passa, necessariamente, pelo reconhecimento do setor como essencial e um insumo para a geração de riqueza.

“Temos certeza que as telecomunicações são essenciais, são estruturantes, mas infelizmente o Estado brasileiro entende que o setor é uma máquina de arrecadação, uma geradora de caixa”, lamentou o secretário geral da Confederação Nacional da Tecnologia da Informação e Comunicação (Contic), Cesar Rômulo, ao participar de debate na faixa Reforma Tributária, que reuniu especialistas no Painel Telebrasil 2018, realizado de 22 a 24 de maio.

Como demonstrou Cesar Rômulo, desde a privatização o setor investiu, a preços de 2017, R$ 850 bilhões. Dados mostram que existem mais de 7 mil prestadores, com 324 milhões de assinantes, com uma produção, desde 1999, de R$ 2,5 trilhões. Só que os agentes sem risco ou pouco risco se apropriam de 82% da riqueza gerada pelo setor.

“O governo, que é o principal agente sem risco, fica com 58% da riqueza gerada, enquanto os rentistas, cobradores de juros e aluguéis ficam com 24%, os trabalhadores, com 9% e o capital, com 8%. Ou seja, nascemos e morremos repetindo o mantra de que há uma briga capital-trabalho. Mas é uma briga em torno da migalha que cai da mesa, menos de 20% da riqueza produzida", sinalizou.

O secretário geral da Contic lembrou que as telecomunicações evoluíram para uma plataforma única voltada à prestação de serviços digitais. “Mas no Brasil não conseguimos plenamente nos valer dessa capacidade porque ainda estamos sujeitos à Lei Geral de Telecomunicações e às amarras da concessão do serviço telefônico fixo comutado. Como resolver: o Poder Público precisa passar a considerar os serviços de telecomunicações como singulares, essenciais e estruturantes.” Assistam a apresentação de Cesar Rômulo no debate Tributação em Telecomunicações: serviços essenciais ou máquina de arrecadação?.

LEIA TAMBÉM:

11/07/2019
Imposto zero é fundamental para o País entrar na onda da Internet das Coisas

18/06/2019
LCA Consultores: Brasil Digital requer dar prioridade às telecomunicações

12/06/2019
Painel Telebrasil aponta caminhos para um novo ciclo de investimentos

11/06/2019
Prestadoras são os grandes atores da plataforma digital

11/06/2019
Aprovação do PLC 79/16 é essencial para políticas públicas de inclusão digital

07/05/2019
PLC 79/16 é a principal reforma microeconômica na agenda do Congresso

07/05/2019
Redução de imposto aumenta poder de compra do consumidor e libera mais investimentos das empresas

07/05/2019
Brasil precisa simplificar o sistema tributário para deslanchar a economia

13/03/2019
Anatel: cobrança do Fistel inviabiliza Internet das Coisas no Brasil

17/09/2018
Telebrasil participa de debate sobre programa de fomentos para o período 2019/2022 no Rio Info 2018






Na era digital, o Brasil é o país que mais cobra impostos sobre os serviços aos consumidores

Serviços bons e mais baratos dependem de políticas públicas que permitam baixar a carga de quase 50% de impostos paga hoje pelo ...

LEIA MAIS



Agência Telebrasil Copyright © 2018-2019 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte