Formação de capital humano para a transformação digital -  Especial - Agência Telebrasil

Jovens brasileiros não vivem sem a Internet, mas a escola é a base da formação

15/10/2019

O ambiente educacional é a instituição de referência na vida dos jovens, revela a 3ª edição da pesquisa Juventudes e Conexões. O estudo aponta que a escola ou faculdade são apontadas por 60% dos 1.440 entrevistados, com idades entre 15 e 29 anos, como as instituições mais importantes para aprender.

A escola também é considerada a mais importante para participar da sociedade por 47% deles, para empreender, por 44%, e para decidir quem quer ser, por 56%. O estudo é realizado pela Rede Conhecimento Social, com idealização da Fundação Telefônica Vivo e parceria com o Ibope Inteligência.

As pessoas mais importantes na vida dos jovens são o professor e a família. O professor fica em primeiro lugar quando a pergunta é sobre a pessoa mais importante para aprender, com 61% das respostas, e para empreender, com 45%. A família é mais importante para participar da sociedade para 43% dos participantes, e para decidir quem quer ser, para 49%.

O celular é o principal meio de acesso à Internet e impulsionador das classes C, D e E, mas o estudo mostra que outros dispositivos começam a ganhar espaço, entre eles, o videogame com 19% e a TV que pulou de 6% para 31% em dois anos. Nas classes A e B, os relógios inteligentes aparecem com 2%. Mas o grande ponto de atenção segue sendo a sala de aula.

E, como diz o diretor da Fundação Telefônica Vivo, Américo Mattar, idealizador do estudo, os jovens deram um recado forte: os professores são a grande referência e a inclusão tecnológica está longe de ser a de levar a tabuada para o Power Point. "O professor não será descartado pela tecnologia. Ao contrário do que se pensa a Internet não vai substituir o professor na educação tanto que mais da metade dos jovens quer o professor como mediador do mundo online e do mundo real", relata o executivo.

Os temas educação, empreendedorismo, comportamento e participação social formaram os quatro eixos da pesquisa. E há pontos significativos no estudo: 54% dos jovens estão muito preocupados com mudanças no mercado de trabalho e com relação à formação deles para as profissões do futuro. Quase metade - 48% - disse que não são estimulados a serem empreendedores.

O levantamento mostra ainda que cerca de 30% afirmam que a Internet fez com que eles melhorassem suas relações humanas, mas 57% assumiram que a ansiedade agravou com a Internet. Além disso, 65% afirmaram que exposição da intimidade piorou, além disso mais da metade - 54% - não se sentem seguros na internet e 64% deles desconfiam ao fornecer dados pessoais para compras e cadastrados.

Um dado também significativo: 59% dos jovens não se sentem ouvidos e representados nos movimentos e partidos políticos e para eles a Internet não está resolvendo os problemas da sociedade e que, sozinha, a Internet nunca será uma solução para as questões da sociedade. A pesquisa completa pode ser acessar http://fundacaotelefonica.org.br/wp-content/uploads/pdfs/juventudes-e-conexoes-3edicao-completa.pdf.

Futuro do trabalho: Saiba quais são os 10 comportamentos essenciais para ser um profissional em TICs

Inteligência emocional, pensamento analítico, criatividade são alguns dos comportamentos exigidos no novo modelo de trabalho. Estudo do Fórum Econômico Mundial mostra que, em cinco anos, mais de um terço das habilidades necessárias vai mudar.

Ler, informar e estudar: o tripé essencial do profissional buscado no mercado

O Brasil vive um paradoxo onde muitas pessoas estão à procura de emprego e não acham, e ao mesmo tempo, as empresas têm dificuldades para encontrar o candidato adequado, observa Mônica Flores, presidente da ManpowerGroup para a América Latina.

Brasil padece de boa formação dos professores em inglês

A partir de 2020, as aulas de inglês serão obrigatórias para estudantes do 6º ano do ensino fundamental até o fim do ensino médio, mas muitos professores estão longe de estarem preparados para ensinarem a língua estrangeira.

Jovem de 18 anos cria modelo de alfabetização a partir do uso da robótica

Filha de pescador e dona de casa, Ivia Tainá está à frente de um projeto que une a tecnologia à educação em Santa Luzia do Itanhy, no Sul do Sergipe.


Formação de capital humano para a transformação digital - clique aqui e veja todo o especial.

Agência Telebrasil
Copyright © 2019 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte