Formação de capital humano para a transformação digital -  Especial - Agência Telebrasil

Exército trabalha para reter talentos para a defesa cibernética

09/04/2019

A dificuldade em formar e manter pessoal preparado para a transformação digital é sentida pelo Estado como reflexo direto da demanda do setor privado. Para o comandante de Defesa Cibernética do Exército Brasileiro, general Guido Amin Naves, a alta qualificação exigida para a atividade torna permanente a preocupação em encontrar e manter os profissionais.

“A atuação da defesa cibernética tem um viés muito importante na questão operacional e na questão tecnológica. Essas duas vertentes nos levam a uma importância fundamental da qualificação do pessoal, dos operadores de defesa cibernética. A dificuldade é grande porque é uma capacidade muito escassa no mercado. E se é escassa no mercado significa que também é escassa nos órgãos de Estado”, afirma o general Amin.

O tema formação de capital humano para o Brasil é um dos destaques do Painel Telebrasil 2019, que acontece de 21 a 23 de maio, em Brasília. Mais do que formar, também é preciso criar condições de reter talentos. “Há o desafio muito grande de reter essas pessoas em função da grande demanda reprimida no mercado. Temos níveis restritos de salário, mas podemos oferecer em contrapartida uma realização profissional muito grande atuando na defesa cibernética no Estado brasileiro”, emenda o comandante do ComDCiber.

Além de sensível, trata-se de uma atividade em constante evolução. Com reflexo direto na própria qualificação. “É uma formação continuada, não é uma formação que o camarada faz um curso e está pronto para ser um bom profissional nisso, tem que ter cursos nos níveis básico, intermediário, avançado”, diz o general. Assistam à entrevista com o comandante de Defesa Cibernética do Exército Brasileiro, general Guido Amin Naves.

ComDCiber - Comando de Defesa Cibernética do Exército Brasileiro

Jovem de 18 anos cria modelo de alfabetização a partir do uso da robótica

Filha de pescador e dona de casa, Ivia Tainá está à frente de um projeto que une a tecnologia à educação em Santa Luzia do Itanhy, no Sul do Sergipe.

Universidades voltadas para TICs ainda não entraram no século 21

"As faculdades pararam no século 20. Os cursos são chatos, muito teóricos e com pouca prática. E o que tem de importar é a resolução dos problemas", adverte o especialista Alexandre Nicolini.

Educação a distância remodela a formação dos novos profissionais

Mercado global de capacitação a distância gira, hoje, em torno de R$ 240 bilhões ao ano e tem muito por crescer no Brasil, principalmente, no mercado corporativo, diz Sylvia Meirelles, diretora da edTech Fábrica de Cursos.

Jovens brasileiros não vivem sem a Internet, mas a escola é a base da formação

Um estudo conduzido pela Rede Conhecimento Social, em parceria com o Ibope Inteligência, com jovens entre 15 e 29 anos mostra que para eles a escola e o professor são cruciais na formação profissional e de vida.


Formação de capital humano para a transformação digital - clique aqui e veja todo o especial.

Agência Telebrasil
Copyright © 2019 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte