Formação de capital humano para a transformação digital -  Especial - Agência Telebrasil

Brasil se mantém na 57ª posição no ranking global de Competitividade Digital

26/09/2019

O Brasil permaneceu em 57º lugar no ranking global de Competitividade Digital, resultado de avaliação feita em 63 países pelo Núcleo de Competitividade Global do IMD, escola de negócios da Suíça, em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC). Foram utilizados indicadores relacionados a tecnologias digitais como fator-chave para a transformação econômica nos negócios, governos e sociedades em geral.

Para avaliar uma economia, o Núcleo de Competitividade Global examinou três fatores: (i) Conhecimento – a capacidade de entender e aprender novas tecnologias; (ii) Tecnologia – a competência para desenvolver novas inovações digitais; e (iii) Prontidão Futura – a preparação para os desenvolvimentos no futuro.  Este ano, duas novas variáveis foram introduzidas na análise: (iv) robô industrial, para medir o número total de robôs em operação; e (v) robôs usados para educação em todo o mundo. Os dados são fornecidos pela Federação Internacional de Robótica.

Em três anos de divulgação do relatório, o Brasil sempre se manteve entre as economias com as piores avaliações. Da 55ª posição em 2017, caiu para o 57º lugar em 2018, onde permaneceu em 2019. Um dado preocupante: o País figura apenas na 61ª posição do subfator "talentos", que avalia a qualidade de mão de obra de uma nação; este quesito é composto por indicadores como "habilidades tecnológicas e digitais" (62ª posição); "qualidade da gestão das cidades" (60º); e "experiência internacional dos gestores públicos e privados" (58º lugar).

Outro fator relevante avaliado é o de "tecnologia", que analisa a competência do desenvolvimento de inovações digitais, no qual o Brasil figura na 57ª posição. "A capacidade de uma economia de promover inovação digital é avaliada a partir de indicadores que levam em consideração o seu marco regulatório, a disponibilidade de capital e sua estrutura tecnológica. Com este resultado, o país mantém uma trajetória de perda competitiva que pode ser percebida desde a primeira divulgação do ranking, quando figuramos em 54º", diz Carlos Arruda, coordenador do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da Fundação Dom Cabral.

Uma característica dos estudos de competitividade é a combinação de dados de opinião obtidos anualmente junto a representantes da comunidade empresarial e dados estatísticos que são coletados junto a países e organizações internacionais. "A pesquisa traz uma perda de confiança no país, em sua capacidade para financiar e apoiar a inovação e adoção de tecnologias digitais", comenta ainda o especialista.

O último fator avaliado pelo ranking refere-se à capacidade do país em aproveitar o futuro. Ele busca compreender se um país está preparado para o desenvolvimento tecnológico. Neste quesito, as notícias são positivas: o país ganhou quatro posições e agora se encontra em 43º colocado. "Trata-se do nosso melhor resultado desde a criação do relatório. Ele leva em consideração subfatores importantes, como 'atitudes adaptativas', 'agilidade dos negócios' e 'integração das tecnologias de informação'", destaca o professor da Fundação Dom Cabral.

Resultado global

Na América Latina, México e Colômbia foram os únicos países que avançaram no ranking deste ano. A falta de recursos para apoiar os novos talentos e o desenvolvimento tecnológico impediram que a maioria dos latino-americanos registrasse melhoras em relação aos indicadores de geração de conhecimento e aproveitasse ao máximo as transformações digitais. Os Estados Unidos mantiveram a primeira posição no ranking, seguidos das outras quatro economias mundiais que também não sofreram alterações em relação a 2018, Cingapura, Suécia, Dinamarca e Suíça.

Os cinco primeiros colocados compartilham uma linha comum em termos de foco na geração de conhecimento, mas cada um deles aborda a competitividade digital de maneira diferente. Os Estados Unidos e a Suécia seguem uma abordagem equilibrada entre geração de conhecimento, criação de um ambiente favorável ao desenvolvimento de tecnologia e disposição na adoção de inovação. Cingapura, Dinamarca e Suíça priorizam apenas um ou dois fatores. Entre os dez primeiros se destacam a Holanda, a região administrativa de Hong Kong e a Coréia do Sul, que subiram para 6º, 8º e 10º lugar, respectivamente, enquanto a Noruega caiu para 9º e o Canadá caiu para a 11ª posição.

Várias economias asiáticas avançaram significativamente no ranking em relação a 2018. A região administrativa de Hong Kong e a Coréia do Sul entraram no Top 10, enquanto Taiwan e China subiram para o 13º e 22º lugares, respectivamente. Todos esses países tiveram um progresso marcante em sua infraestrutura tecnológica e na agilidade de seus negócios. Mais abaixo no ranking, Índia, que subiu quatro posições, e Indonésia, seis posições, apoiaram-se em resultados positivos em Talento, Treinamento e Educação, além do aprimoramento da infraestrutura tecnológica.

No Oriente Médio, os Emirados Árabes Unidos e Israel permaneceram como os principais centros digitais regionais, mas seguiram tendências opostas em relação a 2018. Os Emirados Árabes Unidos subiram cinco posições graças a melhorias na disponibilidade de capital e na regulamentação favorável ao desenvolvimento de tecnologia. Israel caiu quatro posições, devido a um declínio na agilidade dos negócios e processos on-line praticados pelo governo. O Detalhamento completo do ranking do Núcleo Global de Competitividade Digital, bem como um perfil individual dos 63 países analisados, estão disponíveis no link: https://www.imd.org/wcc-press/home/

Futuro do trabalho: Saiba quais são os 10 comportamentos essenciais para ser um profissional em TICs

Inteligência emocional, pensamento analítico, criatividade são alguns dos comportamentos exigidos no novo modelo de trabalho. Estudo do Fórum Econômico Mundial mostra que, em cinco anos, mais de um terço das habilidades necessárias vai mudar.

Ler, informar e estudar: o tripé essencial do profissional buscado no mercado

O Brasil vive um paradoxo onde muitas pessoas estão à procura de emprego e não acham, e ao mesmo tempo, as empresas têm dificuldades para encontrar o candidato adequado, observa Mônica Flores, presidente da ManpowerGroup para a América Latina.

Brasil padece de boa formação dos professores em inglês

A partir de 2020, as aulas de inglês serão obrigatórias para estudantes do 6º ano do ensino fundamental até o fim do ensino médio, mas muitos professores estão longe de estarem preparados para ensinarem a língua estrangeira.

Jovem de 18 anos cria modelo de alfabetização a partir do uso da robótica

Filha de pescador e dona de casa, Ivia Tainá está à frente de um projeto que une a tecnologia à educação em Santa Luzia do Itanhy, no Sul do Sergipe.


Formação de capital humano para a transformação digital - clique aqui e veja todo o especial.

Agência Telebrasil
Copyright © 2019 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte